Literatura Hindu – Poesias

Ode a Miyam Tansin

                     (Tradução e adaptação de Mestre Arnaldo)

Com a voz aveludada de intensa emoção

Ele alimentava os corações com o néctar da vida

Sua força se integrava com a do Cosmo

Ele dissolvia todos os desequilíbrios do mundo

Sua voz rejuvenescia os pássaros, as árvores, vivificando toda a folhagem e flores

Suas canções afastavam do mundo as trevas e a escuridão

Seus Aalaps alimentavam de alegria aqueles que sofriam

Sua música enebriava todo o universo

Ele foi Miyam Tansin

O maior músico que habitou a Terra

 

Shivamyogando

                     (Autoria de Mestre Arnaldo)

A harmonia do ser

A alegria de viver

O fluir da sabedoria

A consciência de agradecer

O Universo conspira

 

Ode ao Ganga

                     (Autoria de Mestre Arnaldo)

Om Shiva! Om Namah Shivaya

O Ganga flui em harmonia com o fluxo da natureza

Banhando terras áridas e inóspitas

Purificando e alimentando os seres

Séculos e séculos de Ishwarapranidhana (autoentrega)

Enebriando os peregrinos com sua música perene

Nutrindo a matéria e o espírito

Ganga Mayi! Ganga Mayi!

A energia cósmica fluindo em intensa alegria

Om Ganga Mayi! Om Namah Shivaya!

A ti reverencio!

 

Sadhus

(Autoria de Mestre Arnaldo)

Ilustres iletrados

Rebeldes inusitados

Aparentemente apáticos

Internamente energizados

Os olhos semicerrados

A paciência exaltada

A imersão na mente

A purificação latente

A espiritualidade emanada

A felicidade perene

A conquista imanente

Karmas e Dharmas em intenso fluxo

De alegria e contentamento

Em sabedoria e Samadhi

 

Sadhus

No tempo, eles se perdem e, no espaço, eles se preenchem. Na vida, eles se imergem. Na busca, eles se realizam.

Irreverentes, extrovertidos, impactantes, exuberantes, desafiantes.

Sem vestes ou com elas em laranja-terra, ou coberto das cinzas daqueles que já se transmutaram, absortos no tempo, desafiam o Universo em Dhyana (meditação).

Ilustres iletrados, vigorosos ascetas, descortinam o conhecimento intuitiva e esplendorosamente.

Arquitetos do saber, plenos de energia e espiritualidade: Sadhus, o Hinduísmo em sua expressão mais nobre, mais pura, mais ardente.

Os heróis da vida e da existência. Louvemos sua audácia, sua inquietude, sua fantástica dimensão transcendente/imanente.

Om Shri Sadhus! Om Tat Sat!

(Mestre Arnaldo)

Posted on: 17 de janeiro de 2017, by : Pedro Azalim