Transformando-se em um Instrutor & Yoguim

A transformação de um indivíduo comum em um iniciado em Marga diz respeito a um processo de desconstrução e reconstrução, muitas das vezes doloroso, mas que desemboca em um estar no mundo consciente e, assim, alegre e feliz.

A aproximação com esse caminho se dá em vários momentos de nossa existência e vai depender, essencialmente, de como vimos construindo nossos Dharmas, estes, por sua vez, se edificam na medida da produção de nossos Karmas.

Há uma diferença básica entre um indivíduo comum e um iniciado na Senda. Aquele pauta-se por uma vida construída “ao acaso”, tendo pouca consciência de seus desejos, intenções, pensamentos, palavras e, principalmente, ações. O iniciado, por sua vez, se esmera em ter consciência em todos os seus movimentos, sejam eles internos, sejam eles externos.

O Dharma de merecimento se faz para todos, independentemente de nossa postura do mundo: sejamos iniciados ao não. Vamos construindo, a todo segundo, merecimentos. Vibramos em determinadas frequências e estas retornam para nós na mesma intensidade e qualidade. Somos, então, responsáveis por tudo que nos acontece. Todos os acontecimentos de nossa vida se dão em função dessa contínua força que movimenta o Universo: força de ação e reação – Karmas.

Estar no Curso de Formação em Shivam Yoga significa um Dharma de merecimento – que pode ser positivo ou não, dependendo da forma como cada um se coloca perante os desafios que lhe serão colocados à sua frente.

Alguns julgarão que o curso visa a formar professores ou Instrutores. Ledo engano: o Dharma de cada um que chega a esse curso é o de se tornar um Yoguim.

Para isso a desconstrução se dará, inevitavelmente. As cristalizações de todos os nossos movimentos até então empreendidos serão revisitadas. Aquelas que nos bloqueiam e nos impedem de sermos conscientes, alegres e felizes terão de ser desconstruídas.

Essas cristalizações estão registradas em nosso mundo físico (Sthula Sharia – instância material). Em Sthula Sharira se encouraçam nossos medos, nossas ansiedades, nossos fracassos, nossos egoísmos, egocentrismos, raivas, iras, dores, bem como nele se registram as nossas alegrias, realizações e felicidades. Também essas cristalizações se dão nas redes energéticas dos outros Shariras e elas também serão movimentadas por meio do Sadhana de Shivam Yoga, envolvendo, ainda, claro, o Jñana Shivam Yoga, Sadhana do conhecimento.

Todo o processo é o de dissolver as cristalizações negativas, para que as positivas inundem nosso ser. Para isso o buscador terá de saber se libertar de todas as suas crenças e vivências em si edificadas pelo mundo ocidental e cristão no qual tal buscador foi construído.

Sair de todo esse processo cientificista, racionalista, especista, antropocêntrico, egoísta, egocentrista, competitivo, restritivo e, principalmente, com uma ética distorcida por essas visões e comportamentos, demandará muito tempo, muito esforço, muita disciplina, muita força de vontade e muita energia para se tornar um Yoguim consciente, ético e responsável.

Posted on: 12 de dezembro de 2015, by : Mestre Arnaldo